quarta-feira, 21, fevereiro, 2024
33 C
Cuiabá

Pesquisador do IFMT desenvolve cerveja inédita no país com sabor de bocaiuva

Mais lidos

Por: Redação 2

Motivado pela riqueza nutricional e pela relevância cultural da bocaiuva – fruto de palmeira nativa do Brasil – para os municípios do pantanal mato-grossense, em especial a bicentenária Cáceres e outras localidades da região oeste do estado, o professor do Instituto Federal de Mato Grosso, IFMT, Campus Cáceres – Olegário Baldo, Admilson Costa da Cunha desenvolveu uma cerveja adicionada de Bocaiuva.

O produto, inédito no Brasil, foi resultado de pesquisa de doutorado do professor Admilson em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), sob a orientação do professor Cristiano Augusto Ballus. doutor em Ciência de Alimentos.

Para proteger a invenção e garantir os direitos autorais do produto, o IFMT, por meio da sua Agência de Inovação Tecnológica em conjunto com a UFSM realizou o depósito com pedido de patente no Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI.

“O objetivo desta invenção foi a produção de uma cerveja adicionada de polpa de  bocaiúva com frutos colhidos em Cáceres, no pantanal mato-grossense. A cerveja apresenta características sensoriais únicas e com forte apelo cultural e regional”, afirma o professor Admilson.

Com o nome científico de Acrocomia aculeata, a  bocaiuva é encontrada em estados como Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, sendo amplamente espalhada pelas áreas de Cerrado. O seu fruto tem forte ligação com as culturas das comunidades nos territórios em que são colhidos em atividade extrativista.

A polpa ou amêndoa pode ser consumida in natura e é utilizada em diversas tradições culinárias. No Pantanal é componente de receitas típicas de sorvetes, doces, bolos e licores, transmitidas de geração em geração. Segundo o informações do Horto Botânico do Museu Nacional ligado à Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a polpa da  Bocaiuva   é classificada como rica em cobre, zinco e potássio.

De acordo com Admilson, a ideia de desenvolvimento de uma cerveja com uma palmeira nativa como a  bocaiuva   partiu da experiência do trabalho realizado em projeto de ensino e extensão do IFMT em Cáceres com mulheres camponesas no curso de Formação Inicial e Continuada  de Preparadora Cervejeira Artesanal, no Programa Teresa de Benguela.

Durante o curso, mulheres assentadas e acampadas da Reforma Agrária das comunidades do Facão (Cáceres-MT) e do assentamento Roseli Nunes (Mirassol D’Oeste-MT) produziram as cervejas artesanais Cabocla Serrana e Crioula.

“No doutorado eu me dediquei à pesquisa para desenvolver uma cerveja inédita com ingrediente que fizesse parte das culturas dessas comunidades e aí chegamos na produção e caracterização desta cerveja com Bocaiuva. Então, esse é um produto desenvolvido em homenagem às mulheres camponesas do pantanal mato-grossense”, afirma Admilson.

Para Fernanda Marques Caldeira, chefe de Departamento de Inovação Tecnológica do IFMT (DPIT), a proteção de invenções como esta e o incentivo à inovação tecnológica podem abrir novos caminhos, a partir do incentivo à pesquisa, para o desenvolvimento de novos produtos que valorizem a riqueza da flora nativa com responsabilidade socioambiental.

O projeto foi aprovado pelo edital de fomento do IFMT nº 95/2023 com financiamento do DPIT  para o desenvolvimento de alto nível de maturidade tecnológica.

 

- Publicidade -
960x120
- Publicidade -

Últimas notícias

Feito com muito 💜 por go7.com.br