Home Editorias Brasil Fávaro obsessivo pelo Senado, mas longe da realidade…
fullhome_2
fullinterna_1
fullinterna_3

Fávaro obsessivo pelo Senado, mas longe da realidade…


| Fonte: Da Redação NMT
Fávaro quer herdar diretamente a vaga de Selma e ser candidato único do Agronegócio em possível eleição extemporânea, ambas condições improváveis. Foto - Arquivo/ReporterMT

Atual chefe do escritório do Governo de Mato Grosso em Brasília, o ex-vice de Pedro Taques (PSDB), Carlos Fávaro (PSD), tem criado pelo Senado Federal um sentimento de obsessão e quase que de pertencimento, mesmo sem ter nada que o ligue diretamente a uma das 81 cadeiras do referido parlamento. Além de despejar dinheiro no renomado advogado e ex-ministro petista, José Eduardo Cardozo, visando um caminho jurídico inédito de ficar com a vaga de Selma Arruda (PSL), caso a cassação da mesma se confirme, Fávaro também tem usado seus dias para adiantar articulações de bastidores de maneira a fortalecer seu nome para uma eventual eleição extemporânea.

Na conta de Fávaro, ele precisa minar possíveis candidaturas que venham a enfraquecer potenciais redutos eleitorais seus e para isso tem sonhado segurar as prováveis investidas dos ex-deputados federais, Adilton Sachetti (PRB), e Nilson Leitão (PSDB). O sonho do líder do PSL é ser o candidato único do agronegócio e assim aumentar suas chances de vitória. Para Nilson, a estratégia tem sido a de convencer o tucano de que uma coalizão seria muito mais interessante a ambos, o que poderia envolver até uma indicação ou a mesma a efetivação do próprio Leitão como seu primeiro suplente. Já com Adilton, como sabe que tem poucas chances de dobrar o líder do PRB nestes moldes, Fávaro tem procurado uma costura que envolva outros nomes influentes do meio produtivo, que se incumbiriam da tarefa de convencer Sachetti a fazer parte deste grande grupo em seu apoio.

Acontece que o conto de fadas de Fávaro, na verdade, tem um “felizes para sempre”, ou, no caso, por sete anos, apenas pra ele. Do ponto de vista de história política e respeito dentro do setor em questão, tanto Leitão quanto Sachetti estão alguns carnavais à sua frente. Outra situação que fragiliza Fávaro é o desconhecimento de seu nome frente a população. Diferentemente da estratégia que montou em 2018, quando muitos candidatos a deputado estadual e federal dobraram consigo, levando seu nome as bases, uma eleição isolada para o Senado seria arriscado para o ex-vice-governador. Embora a inexistência de um desgaste político de uma carreira mais longa conte a seu favor, a questão mais latente ficaria por conta da viabilidade do seu projeto. Uma nova carga pesada de investimentos de seus apoiadores para gerar outra derrota desmoralizaria o setor por completo e este medo existe.

Em outros tempos, o que Fávaro tinha a seu favor, em 2018, já teria lhe levado até onde tanto sonha. Ocorre que os tempos mudaram e os caminhos por onde muitos já passaram não levam mais ao mesmo destino. Um bom jogador se molda as novas regras do jogo e a ansiedade vem cegando o postulante a senador…

 

rodape_mat
Rodape_Mat2

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here