Home Destaque Combustível sobe mais de 12% em MT
Prefeitura Roo
Fullbanner1

Combustível sobe mais de 12% em MT

Fonte: Da redação

Os reajustes Petrobras juntamente com os movimentos de mercado e da concorrência geram outro impacto nos preços dos combustíveis: aumento na tabela intitulada Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF) que serve como parâmetro para a cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e é retido pelas fontes fornecedoras.

De janeiro de 2017 até este mês de maio, o governo estadual aumentou o PMPF da gasolina em 12,9%, do diesel em 12,6% e do etanol em 13,3%. Os percentuais das alíquotas cobradas sobre os valores do PMPF são: 25% na gasolina, 17% no óleo diesel e 10,5% no etanol hidratado. Atualmente, estes percentuais são cobrados sobre os seguintes preços de referência: gasolina comum – R$ 4,33; óleo diesel – R$ 3,74; e etanol – R$ 3,05.

O presidente do Sindipetróleo (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso), Aldo Locatelli, explica que estes últimos números citados não definem os preços na bomba e que apenas servem de base para cálculo do imposto estadual.

Locatelli analisa que a arrecadação com ICMS tende a crescer. Ao considerar os volumes comercializados nos primeiros trimestres de 2017 e 2018, verifica-se que a arrecadação com ICMS nos três produtos aumentou em R$ 87,8 milhões. “Se as vendas mantiverem o mesmo comportamento até o final do ano, a arrecadação sobre os combustíveis será de aproximadamente R$ 350 milhões. Isso sem considerar que há expectativa de crescimento no consumo”, esclarece.

O preço do barril do petróleo, por exemplo, tem subido e o prognóstico é de que o aumento seja de 20%, chegando a U$100. “Apenas com a política de transferência de preços da Petrobras já seria suficiente para beirarmos R$ 400 milhões a mais de ICMS que em 2017. Note-se que, quando da discussão da criação do Fundo de Estabilização Fiscal do Estado (FEF), cuja revenda foi contrária, o governo falava obter R$ 450 milhões. Contudo, apenas com o aumento da arrecadação sobre os combustíveis será possível cobrir quase que a totalidade do Fundo, cuja previsão atual é de arrecadar cerca de R$ 200 milhões”, explana.

Comparando a alíquota do óleo diesel vendido em Mato Grosso com a de outros estados que possuem alíquotas entre 12% e 16% e é cobrada sobre um PMPF menor do que o praticado aqui no Estado, uma redução do ICMS ampliaria o consumo, pois atualmente muitos motoristas de caminhões preferem abastecer nos estados vizinhos. Goiás é o principal deles. “Enquanto os governos continuarem com a sanha arrecadadora, sem a respectiva compensação em serviços de qualidade e que abracem a sociedade como um todo, vamos continuar vendo nossos recursos se esvaírem do nosso bolso cada vez mais. Até quando?”, critica Locatelli.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário
Coloque seu nome aqui