Home Chicote Batista da Coder ganha apelido de vereador “Chupim” na Câmara
Prefeitura Roo
Fullbanner1

Batista da Coder ganha apelido de vereador “Chupim” na Câmara

Fonte: Da Redação NMT
Batista visitando obras em Rondonópolis. Foto - Arquivo Pessoal

O vereador Batista da Coder (SD), que ganhou esse nome justamente pelo tempo em que esteve atuando na Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis – empresa de economia mista em que a Prefeitura é sócia majoritária – ainda se beneficia pelos bons contatos que tem dentro da maior executora de obras e manutenção de vias na zona urbana e rural da maior cidade do interior de Mato Grosso. Segundo comenta-se nos bastidores do legislativo local, o vereador assumiu o posto de um ex-parlamentar, que até quando o União Rondonópolis ganhava dizia que era indicação sua, e tem distribuído vídeo pelo WhatsApp e Facebooks da vida atribuindo a si praticamente todas as intervenções da Coder no Município.

Segundo um parlamentar que falou à reportagem, já são vários os casos de ações solicitadas por outros colegas de parlamento há dias atrás na Prefeitura, como limpezas, roçagem e outros reparos até no piso asfáltico, que Batista é informado por algum encarregado da empresa e corre até o local gravar vídeo e assumir a paternidade do serviço. A tentativa, é claro, é a de ficar bem com a população beneficiada e quem sabe encaminhar uma reeleição. De acordo com o mesmo vereador ouvido, o político do Solidariedade, mesmo partido do prefeito Zé Carlos do Pátio (SD), já está sendo chamado na Casa de Leis de “Chupim”, um pássaro muito conhecido no folclore brasileiro.

O “Chupim” é bastante conhecido até mesmo nos livros de literatura infantil e outros contos, por ser um dos animais mais oportunistas que existem. Segundo conta-se no campo, a fêmea deste pássaro, querendo se ver livre da tarefa de chocar seus próprios ovos, invade o ninho do Tico-Tico (outra espécie bastante conhecida), e quebra os ovos lá já existentes, os come e bota os seus. A fêmea do Tico-Tico então choca os ovos da invasora e cria os filhotes como se fossem seus. Por isso, não é incomum nas regiões onde habitam as duas espécies, como no extremo sul do Brasil, ver nos galhos ou no chão uma fêmea de Tico-Tico alimentando na boca pássaros bem maiores que ela própria e com nenhuma semelhança a si.

Fêmea de Tico-Tico com o filhote “adotado” de Chupim. Foto – Ilustração

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário
Coloque seu nome aqui