Apoiado por Onyx, Davi vence gigante Renan, mas está longe da extrema...

Resenha


Apoiado por Onyx, Davi vence gigante Renan, mas está longe da extrema direita

Fonte: Da Redação com informações o Globo
SHARE
Os senadores Flávio Bolsonaro e Davi Alcolumbre. Foto: O Antagonista.

Apoiado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Davi Alcolumbre (DEM-AP) desafiou o então todo-poderoso Renan Calheiros (MDB-AL) e, após dois dias de duros embates em plenário, venceu a eleição para a presidência do Senado no primeiro turno, neste sábado (2), ao atingir 42 votos, ou seja, mais da metade dos possíveis e assim fazer com que o pleito não necessitasse de segundo turno.

Os absolutos 42 votos de Davi apareceram no telão de contabilização contra apenas cinco de Renan Calheiros, que abandonou a disputa durante a votação. Sua candidatura foi beneficiada pela desistência de outros senadores contrários ao emedebista – Simone Tebet (MDB-MS), Major Olimpio (PSL-SP) e Alvaro Dias (PODE-PR), que anunciaram em discursos que não concorrereriam, destinando seu apoio ao amapaense.

Com 41 anos de idade, Alcolumbre é um dos mais jovens senadores em atividade. O senador iniciou carreira polítida em 2000, quando se elegeu vereador de Macapá. Dois anos depois, se elegeu deputado federal. Após completar três mandatos na Câmara, se elegeu senador. Nas eleições para o Senado em 2014, Alcolumbre também provocou surpresa ao derrotar o ex-senador Gilvam Borges. Um dos caciques do então PMDB, Borges contava à época com o apoio de ninguém menos que o ex-presidente José Sarney, um dos políticos mais influentes do país.

Alcolumbre tem posições políticas consideras flexíveis. Ele está no DEM, mas já foi do PDT. Nas eleições passadas se aliou a políticos de vários partidos, entre eles o senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), considerado um dos expoentes da esquerda no Senado. Sendo assim, apesar de ter tido nos bastidores o apoio do Governo, não pode ser considerado um político de perfil ideológico sequer próximo do atual presidente.

Do ponto de vista de articulação, não há de se reduzir o feito do amapaense neste fim de semana, mas claramente há de ressaltar a escora do Governo e da família Bolsonaro em suas costas. Era a “vitória possível” que Onyx, responsável por articular os interesses do Planalto no Congresso, decidiu trabalhar por relacionamentos anteriores e confiança acumulada no democrata colega de partido, inclusive na recente investida ao Governo do Estado do Amapá, em 2018, onde Alcolumbre não chegou nem perto da vitória.

Os situacionistas abocanharam a mesa diretora do Senado Federal e da Câmara Federal, mas se isso vai resultar em tranquilidade e certeza de encaminhamento das matérias de interesse de Bolsonaro e companhia só o tempo irá dizer. Nem Davi, tampouco Rodrigo Maia (DEM), possuem qualquer tipo de compromisso eleitoral com o grande público que elegeu o atual presidente, ou seja, a relação é meramente institucional. Sob todos os aspectos, se tem alguém que está ganhando com Bolsonaro no Governo é Onyx Lorenzoni e o seu DEM, aliás, até agora muito mais que o próprio Jair e seu PSL.